Recolocação profissional: 6 etapas para trocar de emprego sem aperto

  • 25/ago/2017

Recolocação profissional: 6 etapas para trocar de emprego sem aperto

Procurar um novo emprego ou optar por uma mudança de carreira é um grande desafio para qualquer pessoa. Afinal, mudar não é uma tarefa fácil e exige bastante força de vontade e paciência.

Num cenário econômico de tantas incertezas, a recolocação profissional deve ser pensada com muito cuidado, porque as oportunidades de trabalho estão mais escassas e a concorrência está bastante qualificada, principalmente, nas carreiras em que a remuneração é mais elevada.

Por vontade própria ou por opção da empresa, a demissão é um processo que indica a necessidade de buscar mais qualificação e outras alternativas para o crescimento profissional.

Neste post, vamos apontar 6 etapas significativas para você conquistar um novo emprego e ficar mais satisfeito com os rumos da sua carreira. Confira!

1. Faça uma avaliação de sua trajetória profissional

Um passo importante para buscar uma evolução na carreira é analisar o que você fez para se destacar no mercado de trabalho. Para isso, a recomendação é listar os seguintes itens:

  • principais conquistas profissionais (projetos que tiveram bons resultados);

  • pontos fortes (capacidade de trabalhar em equipe, facilidade de adaptação a outros cenários etc.);

  • aspectos que você precisa melhorar (marketing pessoal, fluência em idiomas, entre outros);

  • ações que pretende fazer para se qualificar (cursos de pós-graduação e participação em eventos relacionados à profissão escolhida).

Ao coletar essas informações, fica mais fácil elaborar um plano de carreira. Um profissional deve contar com um bom planejamento, buscando qualificações e experiências que o ajudem a evoluir.

Quando um profissional reconhece as próprias fraquezas, as possibilidades de minimizá-las ou de eliminá-las são bem maiores. Sem dúvida, a autocrítica é uma iniciativa relevante para buscar o crescimento na carreira.

2. Esteja com as finanças bem-organizadas

Não é fácil receber a notícia de uma demissão de forma inesperada. Em um momento em que o mercado de trabalho está retraído, perder o emprego é motivo para que muitas pessoas fiquem abaladas emocionalmente.

Por esse motivo, se você está desempregado de forma involuntária ou está procurando mudar de profissão, é essencial que as finanças estejam bem-organizadas. Quando uma pessoa não está endividada, é mais fácil fazer planos para investir na carreira.

Portanto, o equilíbrio emocional e uma boa reserva financeira ajudam a escolher as melhores alternativas para se qualificar. Além disso, contribuem para o candidato ter mais tranquilidade durante um processo seletivo, o que aumenta as chances de ter um bom desempenho e de garantir uma vaga no mercado de trabalho.

3. Tenha foco na atualização

Se você quer mostrar o seu valor para uma empresa, tem que superar a acomodação e sair do lugar. Imagine que você pretende fazer um curso de nível superior para mudar de carreira: nesse caso, uma boa alternativa é optar pelos cursos de educação a distância (EAD).

Além do custo mais em conta, essa modalidade de estudos possibilita que o estudante concilie a rotina de trabalho e os compromissos familiares com a necessidade de qualificação.

Se não for possível sair de casa para fazer um curso superior ou uma pós-graduação, opte pela EAD — que possui diversas capacitações com diplomas reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC), assim como os de uma instituição de ensino presencial.

Também é importante participar de palestras e seminários que tenham relação com a sua profissão. Essa iniciativa é fundamental para acompanhar as novas tendências do mundo corporativo e adotar alternativas que possam expandir a sua produtividade.

Com certeza, o profissional que tem foco na atualização constante está mais propenso a assimilar novas ideias. Isso é muito bem-visto pelos recrutadores e serve de vantagem na hora de conquistar um emprego.

4. Use a internet para a recolocação profissional

Uma boa oportunidade de encontrar uma vaga no mercado de trabalho é pela rede mundial de computadores. Há diversos sites que recebem gratuitamente cadastros de candidatos à procura de um emprego. Se você tiver condições de fazer algum investimento, pode optar por sites que cobram mensalidades para se cadastrar e disputar boas chances de trabalho.

Caso você pretenda fortalecer a rede de contatos, é bom apostar nas mídias sociais. No Facebook, são divulgadas várias oportunidades de trabalho em grupos, no qual a inscrição é aprovada por um moderador. Nessa rede social, é possível encontrar amigos e colegas de faculdade que podem ajudá-lo na sua recolocação profissional.

Para os que desejam ter um foco maior na empregabilidade, uma boa alternativa é o LinkedIn — rede social voltada para o mundo corporativo. Uma grande vantagem é a facilidade de localizar diversas pessoas de um segmento profissional. Isso contribui bastante para fazer o networking e trocar informações sobre as tendências de uma carreira.

No LinkedIn, há diversos anúncios com vagas de trabalho. As empresas ainda podem entrar em contato com você para agendar uma entrevista. Se deseja obter sucesso nessa rede social, o indicado é preencher as habilidades técnicas (fluência em idiomas, certificações, domínio em programas de computador etc.) e o histórico profissional com bastante atenção.

5. Elabore o currículo com inteligência

Apresentar informações sobre as qualificações profissionais e a experiência no mercado de trabalho no LinkedIn é um passo importante para chamar a atenção dos empregadores. Contudo, é preciso ficar atento para que esses dados também estejam disponíveis no currículo enviado às empresas.

O currículo é, sem dúvida, uma peça importante para impressionar positivamente os recrutadores. Pensando nisso, vamos mostrar para você aspectos que devem ser destacados nesse documento:

  • objetivo profissional (deve ser escrito de forma sucinta e mostrar as metas para a carreira);

  • cursos realizados (o recomendado é inserir capacitações que tenham relação com o cargo pretendido);

  • experiência profissional (deve mostrar as atividades realizadas, o nome da empresa e o período trabalhado);

  • conhecimentos adquiridos (o domínio de informática e a fluência em idiomas são diferenciais importantes).

6. Esteja preparado para a entrevista

Além do equilíbrio emocional, o candidato precisa estar bem informado sobre as tendências do mercado e mostrar segurança ao abordar as qualificações adquiridas para se dar bem na entrevista e conquistar a vaga desejada.

Se você pretende causar uma boa impressão, é interessante pesquisar sobre o histórico da empresa e se informar sobre os projetos que estão em andamento. A medida é uma forma de mostrar interesse pela organização — o que é visto pelos recrutadores de forma muito positiva.

Para tudo dar certo, você ainda precisa se preocupar com a aparência e a linguagem a ser utilizada na entrevista. Estar com uma roupa inadequada e usar um vocabulário inapropriado para o ambiente de trabalho são erros grosseiros que devem ser evitados ao máximo.

Outra dica importante é ser pontual. Ao chegar atrasado na entrevista sem um motivo justo, o candidato mostra que tem dificuldades de cumprir os horários. Para evitar esse equívoco, é melhor contar com um bom planejamento e verificar com antecedência onde as etapas da seleção serão realizadas.

Com força de vontade, determinação e qualificação, é possível ter sucesso na recolocação profissional. Mas, se depois de ler este post, você ainda tem dúvidas sobre o seu futuro profissional, aproveite para entender como descobrir a sua vocação profissional!