Para quem o curso de Gestão Pública é indicado?

  • 29/set/2017

Para quem o curso de Gestão Pública é indicado?

Responsabilidade, ética e eficiência são atributos cada vez mais exigidos no setor público brasileiro. Além dos políticos eleitos pela população, uma personagem muito importante ganha espaço nesse cenário: o profissional especialista nas rotinas do serviço público. E, para se destacar nessa área, o mais indicado é ingressar em um curso de Gestão Pública.

Se você se interessa na lei e suas definições, em trabalhar para o benefício da sociedade, e, sobretudo, em agir com ética, transparência e excelência, você é a pessoa mais indicada para a profissão de gestor público. Para entender melhor sobre a atuação desse profissional, o mercado de trabalho e a formação, leia o post que preparamos hoje!

Entenda o que o profissional de Gestão Pública faz

O gestor público é o profissional que vai atender todas as demandas de uma instituição pública, respeitando o rigor da lei prevista. O norte de todas as ações deve ser a produtividade, a eficiência e a excelência.

Sai de cena o velho mito das repartições públicas, inchadas e pouco produtivas: o setor governamental em todos os seus níveis vem se espelhando nos conceitos da iniciativa privada para prestar serviços de qualidade à população.

É o gestor público quem vai qualificar os processos dentro das instituições ligadas ao governo. O mercado, porém, não se restringe a isso: há muito espaço também em empresas privadas ou instituições, como ONGs, naquelas tarefas que envolvem o relacionamento com entidades e órgãos públicos.

O graduado no curso de Gestão Pública terá atribuições como planejamento, organização, execução e fiscalização de ações. Sempre visando a ética, afinal de contas, o gestor trabalha para a sociedade, lida com recursos públicos e, por isso, precisa agir com transparência e rigor à lei.

O gestor público pode, por exemplo criar e executar políticas públicas em áreas cruciais para a sociedade brasileira, como saúde, segurança, transportes, educação. Também pode aconselhar detentores de cargos e demais profissionais do setor público a executar melhores práticas.

A atuação do gestor público nas empresas e entidades

A atuação do profissional em Gestão Pública não se limita aos órgãos públicos. Empresas e entidades privadas também demandam serviços de especialistas em rotinas públicas, com a capacidade de atuar dentro dos preceitos da administração.

Dentro de uma empresa, por exemplo, o gestor público pode ficar responsável pelas relações com as agências reguladoras e demais órgãos públicos que estejam em relação com a área de atuação na empresa, para garantir que todas as rotinas sejam as mais adequadas dentro do que prevê a lei.

O mesmo acontece em instituições como as organizações não-governamentais. Apesar do caráter privado, essas entidades costumam ter ligações com o governo, por meio de convênios, financiamentos, projetos em comum — e o gestor público é quem faz essa ligação.

Agora, saiba mais sobre o que o gestor público pode fazer, na prática, dentro de um setor governamental, empresa ou entidade privada:

  • fazer a análise de contratos que envolvam o governo;

  • criar e orientar novas políticas financeiras, junto aos bancos e demais instituições monetárias do país;

  • atuar junto a projetos de investimento, estatísticas econômicas e financiamentos;

  • mapear e diagnosticar cenários econômicos e sociais, instrumentos muito úteis para o desenvolvimento de novas políticas;

  • assessorar todo e qualquer tipo de relacionamento que envolva o setor público, por exemplo, financiamentos de campanha;

  • emitir pareceres em adequação à lei;

  • idealizar e gerir políticas públicas de assistência social, saúde, educação e todas as demais áreas que precisam de atenção urgente no país.

Conheça mais sobre o curso

A vida pública brasileira é baseada nas diversas legislações existentes. Tudo começa com a Constituição Federal, promulgada em 1988.

A carta magna que define os três poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) e suas atribuições, estabelece a formação dos entes federativos (cidade, Estado e União) e ainda versa sobre as obrigações que o Estado tem junto à sociedade, tais como educação, saúde, segurança, respeito ao meio ambiente, liberdade de ir e vir.

A Constituição é um dos principais instrumentos de trabalho do setor público, e um dos conteúdos presentes na grade curricular do curso de Gestão Pública com destaque. Nela, é possível encontrar as bases para a maioria das ações, desde programas governamentais de assistência aos necessitados até a promulgação de novas leis. O gestor público deve conhecer detalhadamente esse documento.

Além disso, o Brasil conta com diversos Códigos, como o Civil, Tributário e o Penal, que estabelecem regramentos para essas respectivas áreas. Dependendo da área em que o graduado em Gestão Pública for atuar, ele deverá saber na ponta da língua o teor dessas leis.

E não se esqueça de que as leis mudam constantemente no Brasil. Medidas provisórias, emendas constitucionais, novos projetos de leis alteram o cenário legal praticamente todos os dias. É importante sempre acompanhar as mudanças nas leis que dizem respeito à área em que o gestor público atua.

Muito importante também é o conhecimento sobre noções de administração e gestão, que serão aplicadas nos processos públicos. Comunicação organizacional, contabilidade, metodologias de pesquisa, sustentabilidade e finanças também constam no currículo dessa graduação, provendo uma formação completa e diversa.

Uma graduação breve

Gestão Pública é uma graduação breve, ideal para quem quer entrar no mercado de trabalho o quanto antes. Na maioria dos casos, são cursos de tecnologia, com duração de dois anos. Isso não significa, porém, que os conteúdos não sejam aprofundados e que a formação não seja consistente.

É também uma opção que oferece a chance de estudar a distância, na modalidade EAD. Mais uma facilidade para obter o diploma e começar a trabalhar!

Saiba quanto o gestor público pode ganhar

Esta é uma carreira que proporciona chances de ter salários muito bons. E o melhor: como a graduação ainda é relativamente nova, ainda há bastante demanda para se inserir no mercado.

A expectativa de ganhos no início de carreira fica em torno de R$ 3,5 mil, em um órgão público. Já para quem almeja trabalhar em carreiras federais ou agências reguladoras, os ganhos podem chegar a R$ 11 mil. O destaque é o setor judiciário, no qual os salários costumam ser muito elevados.

Já no setor privado, o início pode ser um pouco mais modesto, com salários mais baixos, girando em torno de R$ 1,8 mil e R$ 2 mil, mas a tendência é de muita valorização, com o passar do tempo. Nas grandes empresas do país, cargos de gestão que ocupam cadeiras diretivas chegam a ganhar até R$ 50 mil.

Saia na frente na preparação para concursos

O gestor público vai levar vantagem em uma área muito concorrida no país: a dos concursos públicos. Isso ocorre porque o graduado terá, na grade curricular, as matérias ligadas à legislação mais cobradas pelos certames.

Embora não seja um pré-requisito, a graduação em Gestão Pública oferece uma preparação completa para servidores e funcionários que desejem seguir a carreira pública.

Se você se interessou pela área, aproveite para conhecer o curso de Gestão Pública na modalidade EAD da Unyleya!