Conheça as áreas de atuação da Gestão Ambiental

  • 05/jun/2017

Conheça as áreas de atuação da Gestão Ambiental

A preocupação com um uso mais racional dos recursos naturais e a busca por uma sintonia entre os interesses de uma organização e as necessidades da natureza abrem um grande leque de áreas de atuação da Gestão Ambiental.

Essa graduação ainda é recente em nosso país — o primeiro curso foi implantado em 2002 —, contudo, com o avanço das políticas públicas e de uma consciência ambiental crescente em toda a sociedade, os profissionais formados nesse curso encontram um mercado aquecido e com muitas oportunidades.

Ficou interessado? Neste post, vamos apresentar como funciona o curso de Gestão Ambiental e quais são as principais áreas de atuação para os seus profissionais!

O que é Gestão Ambiental?

A profissão de gestor ambiental surgiu a partir da necessidade das empresas, dos cidadãos e dos órgãos públicos de se adaptarem às questões ambientais, economizando e dinamizando recursos para evitar danos à natureza e preservar a biodiversidade. Como consequência, os profissionais dessa área estão atentos à relação do ser humano com o meio ambiente, e preocupados em evitar, reduzir ou sanar os impactos produzidos pelo homem.

Desse modo, a formação do gestor ambiental envolve um intercâmbio frequente de disciplinas como biologia, ciências sociais, economia, geografia, finanças e, até mesmo, marketing. Afinal, as empresas modernas buscam associar suas marcas à ideia da sustentabilidade, de olho no consumo verde.

Entretanto, atuando como um administrador do meio ambiente, o gestor ambiental é incumbido de tomar decisões relacionadas à exploração dos recursos naturais e seus impactos. Por isso, além de empresas privadas, ele ainda pode trabalhar no setor público e também em organizações não governamentais.

Quais são as áreas de atuação da Gestão Ambiental?

1. Recuperação de áreas degradadas

A má utilização dos recursos ambientais afeta todos os ciclos da natureza, além de diminuir a biodiversidade e aumentar o custo operacional no longo prazo. Para termos ideia do problema, em locais de área desmatada, por exemplo, o tratamento da água pode ser até 100 vezes mais caro!

Por essa razão, é tão urgente recuperar as áreas degradadas. Atuando nessa tarefa, o gestor ambiental realiza pesquisa de campo para investigar a extensão dos danos. A partir dos dados coletados, ele elabora uma série de relatórios sobre a situação dessas áreas para planejar as melhores ações de recuperação. Esse planejamento pode envolver um cronograma de ações a ser implementado sob sua supervisão.

2. Certificação ambiental

Uma das formas de assegurar que determinada empresa cumpre com os parâmetros de preservação ambiental é por meio das certificações de órgãos competentes. Nesse caso, o gestor deverá conhecer todos os processos de licenciamento e de legislação ambiental, tanto brasileiros quanto internacionais.

Ele será o responsável por controlar e atualizar as licenças exigidas por lei, seguindo as normas estabelecidas pela Organização Internacional de Normalização (ISO). Para adequar os procedimentos operacionais, o gestor ambiental pode promover treinamentos com a equipe de trabalho, além de fiscalizar o cumprimento de todas as normativas.

3. Geoprocessamento

O geoprocessamento diz respeito ao tratamento de informações geográficas (relevo, paisagem, águas, tipo de solo etc.) por meio de softwares específicos. Ele é utilizado para elaborar projetos de ocupação, minimizando os impactos ambientais e garantindo condições seguras para a construção.

Nesse sentido, o gestor ambiental pesquisa os dados para planejar o gerenciamento humano e as redes de infraestrutura num determinado espaço. Além disso, esse profissional é importante também na gestão de bacias hidrográficas e na elaboração de diagnósticos ambientais. Com o geoprocessamento, é possível mapear a vegetação, traçar um histórico e fiscalizar o desmate ilegal, por exemplo.

4. Educação Ambiental

No setor educacional, o gestor ambiental realiza programas e ações de conscientização da população para ressaltar a importância da preservação dos recursos naturais. Desse modo, ele cria apostilas, materiais didáticos, vídeos, cartazes e pode dar palestras e monitoriais sobre esse tema.

Como coordenador de programas ambientais, esse profissional pode atuar em escolas, empresas privadas, setor público ou para a população de uma maneira geral. Afinal, orientar os cidadãos a tomarem atitudes mais sustentáveis no seu cotidiano é algo que interessa e impacta toda a sociedade.

5. Extração de recursos naturais

Como consultor de indústrias mineradoras e petroleiras, o gestor ambiental também está autorizado a acompanhar os processos de exploração dos recursos naturais. Sua presença e supervisão visam assegurar que as técnicas e materiais utilizados sejam os mais adequados para gerar o mínimo impacto possível ao meio ambiente.

Para tanto, ele realiza análises cruzadas sobre as áreas de exploração e planeja a extração desses recursos. Além disso, em seu planejamento já devem constar planos de manejo e de recuperação ambiental, buscando reverter os possíveis danos provocados pela ação humana.

6. Elaboração de políticas públicas

Atuando no setor público, o gestor ambiental também pode elaborar políticas na área de preservação dos recursos naturais. Em secretarias, ministérios ou em órgãos de administração direta, como o IBAMA, ele está em permanente contato com as empresas e a sociedade civil, buscando formular normativas e planos diretores.

Cabe esclarecer que essa é uma área cuja escassez de profissionais específicos para a Gestão Ambiental é notória. Por isso, apesar de a entrada no serviço público se dar, sobretudo, por meio de concursos, há no momento uma tendência de abertura de muitos postos de trabalho.

7. Consultoria ambiental

O ramo da Gestão Ambiental propicia aos seus egressos que fundem empresas de consultoria para ajudar órgãos públicos e empresas privadas a planejarem suas ações, visando o cumprimento da legislação e o melhor aproveitamento dos recursos naturais.

Com o aumento da fiscalização, essa área tem crescido bastante, na medida em que o gestor ambiental, ao formular o plano de ações, garante que as organizações contratantes não paguem multas ou sofram outras sanções por infringir as leis ambientais.

Como podemos perceber, as áreas de atuação da Gestão Ambiental são muitas e variadas. Seus profissionais podem trabalhar na cidade, no campo, no setor público ou privado. Além disso, as questões relacionadas ao meio ambiente nunca foram tão atuais, motivo pelo qual o mercado está cheio de oportunidades para esse setor.

E você, gostou das nossas dicas? Então aproveite para baixar nosso e-book sobre organização financeira!

 






Nosso App

Nossas Redes Sociais