6 técnicas para escrever melhor

  • 25/jul/2017

6 técnicas para escrever melhor

Quer uma ótima maneira de celebrar o dia do escritor? Que tal conhecer algumas técnicas para escrever melhor?!

Para começar, vale lembrar que a palavra escrita tem poder. Não apenas quando assume a forma de prosa e verso, mas sempre que comunica uma intenção, uma mensagem, um significado.

A habilidade de expressar ideias por meio da escrita é antiga, mas se mantém relevante até os dias atuais. No Brasil, o profissional que domina o português a ponto de escrever bons textos sempre foi, e continua sendo, valorizado pelo mercado de trabalho.

Pensando nisso, e sabendo que é possível aperfeiçoar essa habilidade, decidimos apresentar seis dicas simples e eficazes que trarão bons resultados para sua carreira!

Antes da ação, algumas considerações

Você sabia que o Brasil tem cerca de 13 milhões de analfabetos funcionais? Estamos falando daquelas pessoas incapazes de compreender o texto mais básico, e que, ainda que saibam “ler” as palavras, não conseguem interpretar o sentido de uma frase.  

De fato, segundo uma pesquisa do Instituto Paulo Montenegro (IPM) e da ONG Ação Educativa, somente 8% da população está apta a interpretar textos e se expressar adequadamente.

O que podemos concluir a partir desses índices alarmantes? Que existe uma falta de domínio generalizada da população brasileira com a leitura e escrita em sua língua materna.

A princípio, por exemplo, todos os formandos do Ensino Médio deveriam possuir essas habilidades, mas exames como o Enem mostram justamente o contrário. Não é à toa que a redação é um verdadeiro pesadelo para grande parte dos estudantes, e que a interpretação equivocada dos enunciados das questões resulta em desempenhos ruins. E, no mundo adulto, essa tendência se mantém.

A falta de concordância verbal e nominal povoa os e-mails corporativos, enquanto tropeços ortográficos são abundantes nas redes sociais. É comum encontrar erros de sintaxe e de semântica até em notícias, colunas e artigos de jornais e revistas.

Mas e você? Qual é o seu posicionamento nesse cenário?

Bem, se você leu até aqui é porque está interessado em se aprimorar, certo? Então, confira a seguir as técnicas que o ajudarão a construir bons textos e deixar as armadilhas gramaticais para trás!

1. Estruture seu raciocínio

Para compor um bom texto, é preciso estruturar seu raciocínio. Como assim? Textos não literários, isto é, que não são construídos com propósito artístico (como ensaios acadêmicos, artigos jornalísticos, redações de vestibular etc.) têm a intenção de informar algo a alguém ou defender um ponto de vista. Por esse motivo, eles possuem uma estrutura fixa:

  • introdução;  

  • desenvolvimento;

  • conclusão.

Ao escrever, você precisa aprender a organizar suas ideias e a priorizar argumentos conforme essa estrutura. Assim, suas composições ganharão coesão e coerência.

2. Simplifique para não ser mal interpretado

Sabe aqueles textos de difícil leitura, que não passam uma mensagem clara? A maioria deles tem um problema em comum: o autor optou por palavras extravagantes em vez de simplificar.

Jamais siga esse exemplo. O Português é um idioma complexo; muitos termos parecem significar uma coisa, quando, na realidade, expressam algo completamente distinto. Portanto, dê preferência a expressões sobre as quais você tem domínio, para não correr o risco de passar uma mensagem dúbia.

3. Vá direto ao ponto

Sim, evitar rodeios é fundamental para garantir a atenção de seu leitor. Para que expressar um pensamento com três verbos quando um basta? Nada de “tentar conseguir estabelecer” se só “estabelecer” já transmite a mensagem.

Essa abordagem é especialmente útil na escrita de e-mails, nos quais é essencial ser objetivo. Vá direto ao ponto e seja breve. Uma boa estratégia é definir quais das perguntas abaixo devem ser respondidas para que sua mensagem seja transmitida de forma clara: 

  • O que?

  • Quem?

  • Como?

  • Por quê?

  • Quando?

  • Onde?

4. Tome cuidado com parônimos e homônimos

Nosso idioma, como mencionamos acima, é complexo e existem muitas palavras com a grafia ou pronúncia similar, mas que têm significados completamente opostos. Esses são os parônimos.

Exemplos comuns de parônimos:

  • emigrar x imigrar;

  • descrição x discrição;

  • comprimento x cumprimento;

  • descriminar x discriminar;

  • suar x soar;

  • fusível x fuzil;

  • tráfego x tráfico.

E quanto àquelas palavras cuja grafia ou pronúncia é igual, mas com significados diferentes? Estamos falando agora dos homônimos. Exemplos são:

  • sela x cela;

  • sessão x seção x cessão;

  • manga (da camiseta) x manga (fruta) x manga (pasto);

  • banco (de sentar) x banco (instituição financeira);

  • cozer (cozinhar) x coser (costurar).

Na dúvida, consulte sempre um dicionário!

5. Saiba selecionar suas fontes

Um bom escritor é, acima de tudo, um bom leitor. É lendo que aprendemos a nutrir uma postura crítica e a aprimorar nossa percepção da realidade que nos cerca.

Como você vai se expressar bem se não sabe transformar ideias em palavras?

A leitura é justamente o método pelo qual adquirimos essa prática. É por meio dela que aprendemos a decodificar dados (palavras) e a interpretar as informações que eles nos trazem.

É claro que toda leitura é positiva, mas nem todas as fontes fornecerão instrumentos úteis, ou sequer construtivos. Por isso, em vez de perder tempo com tabloides ou nas redes sociais, busque textos construtivos, que noticiem o que está acontecendo no mundo.

Assim como nosso corpo precisa de alimentos, nossa mente precisa de estímulos. A leitura, portanto, é o que nutre o intelecto!

6. Não se esqueça de revisar

Saiba que revisão é fundamental em todos os materiais escritos, inclusive em currículos.

Quando criamos um texto, acabamos nos concentrando mais no conteúdo do que na forma, ou seja, o foco inicialmente está em expressar nossos pensamentos de forma coerente, e não necessariamente na grafia ou pontuação corretas. O resultado? Erros ortográficos (como os de pontuação, por exemplo) passam despercebidos.

Para evitar esses equívocos e garantir a excelência, sempre revise seu material antes de entregá-lo.

Uma das maneiras de mostrar que você é um profissional diferenciado é aperfeiçoar essa habilidade de se expressar por meio da escrita. As técnicas para escrever melhor — que acabamos de apresentar — certamente o ajudarão nesse sentido, guiando-o na produção de materiais gramaticalmente corretos, claros e instigantes.   

Ficou impressionado com nossas dicas e não vê a hora de colocá-las em prática? Aproveite para nos seguir nas redes sociais — Facebook e Twitter — e acompanhar mais publicações como esta!