Entenda 4 causas do desemprego e capacite-se para fugir dele

  • 14/maio/2019

Entenda 4 causas do desemprego e capacite-se para fugir dele

Entre 2014 e 2016, o Brasil enfrentou uma forte crise econômica e, até hoje, vem sofrendo com as consequências no mercado de trabalho. Uma das grandes causas do desemprego foi a redução dos investimentos em vários setores, o que levou as empresas a produzir menos e a demitir parte de seus funcionários.

Como resultado, as pessoas também diminuíram o consumo e, assim, foi criado um ciclo de encolhimento na economia do país. Apesar de uma leve queda em 2017, logo em janeiro de 2019 o índice subiu ainda mais ainda e hoje o número de desempregados é muito alto, chegando a mais de 12 milhões de brasileiros.

Portanto, é preciso conhecer os seus motivos e tomar atitudes para tentar sair contornar essa situação. Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura deste post para conhecer algumas das causas do desemprego no Brasil.

1. Crise econômica

A crise brasileira ocorreu devido a uma série de fatores econômicos que, somados a conflitos políticos decorrentes dos escândalos de corrupção, ocasionaram um enorme descrédito do país — inclusive reduzindo a entrada de investimentos estrangeiros na economia.

Essa menor entrada de dólares provocou um desaquecimento do mercado e, naturalmente, as empresas começaram a diminuir o quadro de funcionários para não fechar as portas. Com isso, houve um menor consumo de bens e serviços, além da redução da necessidade de funcionários e da produção, o que formou um ciclo contínuo.

Logo, a primeira grande causa do desemprego é a crise econômica. Ela faz com que as organizações busquem saídas para diminuir os gastos, e, muitas vezes, o primeiro passo é despedir parte de seus colaboradores.

2. Redução de custos

Você já ouviu a expressão “uma coisa leva à outra”? Ela se encaixa muito bem nesse contexto, já que a primeira causa do desemprego (crise econômica) ocasiona a segunda (redução de custos).

Para sobreviver à crise e ao mercado competitivo, as empresas começam a reduzir os seus custos. Nesse momento, vale economizar no cafezinho e até cortar outros pequenos gastos, até porque o número de colaboradores também foi reduzido.

Tudo isso causa um impacto significativo em todos os mercados, pois o efeito é como uma bola de neve. Uma empresa que fecha ou demite boa parte dos seus funcionários influencia a sobrevivência de toda a sua rede de fornecedores, em maior ou menor escala. O fato é que essa redução de custos pode ocasionar uma retração geral de uma economia.

3. Substituição de mão de obra por máquinas

Nas últimas décadas, a tecnologia vem avançando cada vez mais e, com sua ascensão, diversas vagas de emprego diminuíram ou até foram extintas. As indústrias estão tornando-se mais modernas e mecanizadas, utilizando mais máquinas e menos trabalhadores em sua linha de produção.

O detalhe é que o emprego da tecnologia não é visto somente dentro dos galpões das fábricas, como se pensava antigamente. O agronegócio é um setor que tem adotado o uso de diversos equipamentos, desde o preparo do solo e irrigação até a colheita e acondicionamento dos produtos para a venda.

Por exemplo, são utilizados drones para identificar pragas e doenças de forma mais rápida e eficiente — realmente é um tipo de serviço em que é difícil para o ser humano competir.

Enfim, você não precisa ir até uma fábrica ou uma grande fazenda para observar essa realidade. Veja os terminais de autoatendimento em bancos, supermercados e shoppings — além disso, lembre-se de que você consegue realizar várias transações bancárias por meio de aplicativos online, sem precisar sair de casa.

4. Necessidade de profissionais mais capacitados

Infelizmente, uma das maiores causas do desemprego no Brasil ainda é a falta de qualificação profissional. Essa razão está fortemente associada às outras citadas anteriormente, uma vez que, em tempos de crise, os primeiros cargos cortados são aqueles que podem ser substituídos por algo que custe menos (máquinas, softwares) ou podem ser exercidos por uma pessoa que já tem outra função dentro da empresa.

Considere um exemplo prático: se antes as organizações tinham um engenheiro de campo e um motorista, hoje elas buscam um engenheiro que tenha habilitação para dirigir, reduzindo os custos do empreendimento.

Isso é um forte sinal para as pessoas que pretendem sobreviver nessa realidade e para aquelas que estão prestes a entrar no mercado de trabalho, certo? Então, a questão passa a ser: o que fazer para conseguir escapar desse contexto desfavorável e alavancar a carreira? Veja as nossas dicas a seguir:

Dicas para fugir do desemprego

Não há dúvidas de que uma das melhores maneiras de conquistar uma trajetória profissional bem-sucedida é investindo em qualificação. Depois de conhecer as maiores causas do desemprego, é possível perceber que a tendência é que o mercado de trabalho fique cada vez mais competitivo.

Para ganhar destaque e alcançar boas oportunidades é preciso estar bem preparado — caso contrário, as chances de insucesso são grandes. Diante disso, confira quais são as medidas que você pode adotar para escapar dessa crise.

Tenha um curso de graduação

Se você não teve oportunidade para continuar os estudos quando saiu do Ensino Médio, não se preocupe. Nunca é tarde para voltar a estudar! Se investir em capacitação é fundamental para ter uma carreira profissional de sucesso e o desemprego, pode-se dizer que o primeiro passo é ter um diploma do Ensino Superior no currículo.

Para isso, tente encontrar um curso com o qual você tenha afinidade e uma instituição renomada, que o ajude a construir uma carreira vitoriosa oferecendo um ensino de qualidade.

Mesmo que você trabalhe o dia todo e não tenha tanto tempo para dedicar a uma faculdade, não deixe de lado esse objetivo. Uma boa ideia é aproveitar os vários cursos de graduação a distância que estão disponíveis no mercado.

Essa é uma forma de ter uma rotina mais flexível de estudos, sem contar que você não precisa sair de casa ou pagar uma mensalidade exorbitante. Não parece bem mais fácil? O ideal é procurar alternativas e não perder o foco!

Invista em uma especialização

Se você já tem um curso superior, a melhor dica para continuar sendo um profissional de destaque é fazer uma pós-graduação na área em que atua ou que pretende atuar. Aliás, essa é uma ótima chance de mudar os rumos da sua carreira se você achar que as condições não estão tão boas.

Especializar-se em determinado tema é uma forma de aprofundar os seus conhecimentos, adquirir novas competências, ampliar a sua rede de contatos profissionais e abrir as portas para conseguir um emprego melhor (incluindo ainda uma remuneração maior).

O interesse da pessoa em investir em educação continuada é visto com bons olhos pela empresa, significando que o profissional faz o que está ao seu alcance para se qualificar.

Mais uma vez, se o problema é falta de tempo no dia a dia, saiba que existem diversas opções de cursos de pós-graduação a distância — assim como citamos na fase da graduação. Aproveite para conciliar os estudos com as demais atividades do seu dia e assistir às aulas de onde estiver.

Desenvolva habilidades variadas

Se algumas funções estão sendo substituídas por máquinas e a redução de custos é real, é interessante que você desenvolva um perfil que atraia os empregadores. Nesse sentido, o segredo da vez é desenvolver habilidades comportamentais — e não só técnicas.

Em um cenário de crise, é comum que as organizações busquem profissionais multifuncionais, ou seja, que sejam capazes de realizar tarefas variadas. Por isso, para driblar esse período difícil, vale rever quais são as suas qualidades e no que você poderia melhorar.

Tente ser mais flexível e ir além da sua formação básica, aprendendo a lidar com desafios diferentes e se tornando apto para exercer atividades distintas do que está acostumado. Até mudar de área pode ser uma boa ideia, principalmente se as perspectivas forem melhores e o desemprego pareça mais distante.

Por exemplo, um bom gestor não é somente quem tem um currículo extenso, mas aquele que sabe motivar a sua equipe e que faz disso o principal combustível para alcançar os resultados pretendidos.

Então, se preocupe em desenvolver suas qualidades pessoais e não só profissionais. Organização, disciplina, empatia e comunicação estão entre as características mais valorizadas do mercado. Fique de olho e não perca tempo!

Aposte no empreendedorismo

Outra saída para os tempos de crise é o empreendedorismo. Muitas oportunidades surgem nesse cenário, pois as dificuldades não deixam de ser uma motivação para explorar a criatividade e explorar nichos que antes não existiam ou não estavam em evidência.

Pense que a mesma tecnologia que tira o emprego de milhares de pessoas também tem proporcionado o desenvolvimento de novos empreendimentos. A própria internet é uma imensa rede de informação e de possibilidades, o que facilita a vida de qualquer um.

Pesquise muito até encontrar uma boa ideia ou identificar uma brecha para entrar no mercado. Estruture os seus objetivos e vá atrás do que você acredita, sempre com cuidado e fundamento — coloque em prática os conhecimentos adquiridos nos cursos.

Em resumo, não desanime! Para contornar as causas do desemprego e ter uma carreira sólida, é importante entender a magnitude do momento e não desistir. Agora que você já sabe disso, é hora de colocar a mão na massa. Faça uma graduação e/ou uma pós-graduação, mantenha-se atualizado e seja proativo.

 

Precisa de mais informações?

Preencha seus dados que um consultor irá entrar em contato com você

Nosso App

Nossas Redes Sociais