Conheça 12 técnicas de memorização que ajudam nos estudos

  • 11/set/2018

Conheça 12 técnicas de memorização que ajudam nos estudos

Desde os primeiros anos do ensino básico até a nossa vida adulta, trabalhar a capacidade de memorização é extremamente importante para que consigamos absorver com qualidade novas informações, processá-las e tirar conclusões que nos ajudem a resolver diferentes tipos de questões do nosso dia a dia.

Levando em conta esse cenário, não é à toa que tantas pessoas busquem constantemente novos métodos que sejam realmente eficazes para otimizar o seu aprendizado e aumentar a produtividade.

Se você se interessa por esse assunto, continue a leitura deste post, pois vamos apresentar 12 técnicas de memorização que vão dar uma força extra aos seus estudos. Confira!

1. Evite a “decoreba”

Muita gente ainda acredita que memorizar é o mesmo que decorar. Por isso, é muito importante começarmos o post desmistificando esse pensamento!

A famosa “decoreba” nada mais é do que uma reprodução automática e inconsciente de um conceito focado em um objetivo específico — por exemplo, aprender determinadas fórmulas matemáticas apenas para conseguir passar no vestibular. Você até conseguirá solucionar as questões propostas no momento da prova, mas logo se esquecerá de boa parte dos conteúdos estudados.

A memorização, por outro lado, é a habilidade de absorver uma informação de forma aprofundada com base em níveis elevados de atenção e concentração no momento de estudo. Por isso, para memorizar um conteúdo corretamente, é necessário dedicar seu tempo e força de vontade a compreendê-lo de verdade.

2. Treine o seu cérebro para manter o foco

Durante os estudos, um dos pontos mais importantes — e desafiadores — é manter a concentração. E para conquistar esse objetivo, é essencial treinar o cérebro para que você consiga manter o foco em suas atividades do momento presente, sem se distrair por pensamentos ligados a acontecimentos passados ou a possibilidades futuras.

Para ajudá-lo nesse aspecto, vamos propor um exercício baseado em uma prática da ioga: antes de iniciar os estudos, tire pelo menos 5 minutos e procure se concentrar em seu ritmo respiratório. Conte “um” para a inspiração, “dois” para a expiração e deixe os pensamentos fluir, sem se apegar a nenhum deles.

Com o tempo, a prática se tornará mais fácil e você será capaz de educar a mente para se concentrar em uma coisa por vez. Assim, a sua aprendizagem também será potencializada, eliminando, inclusive, a necessidade de ler diversas vezes o mesmo texto para absorvê-lo.

3. Estabeleça um ritmo de estudos

O processo de memorização é algo que demanda comprometimento e assiduidade. Não adianta tentar só uma vez por semana ou quando “dá tempo”. É como a rotina de um atleta que deseja conquistar o lugar mais alto do pódio e se tornar o número um em sua modalidade esportiva: exige treinamento constante e muita disciplina!

Da mesma forma, para obter um bom aproveitamento nos estudos, é essencial elaborar um cronograma bem estruturado, reservar horários determinados para cada conteúdo e concentrar-se neles durante o período que você estabeleceu. À medida que essas ações se tornam um hábito, a sua concentração também será ampliada.

Procure reservar também alguns minutos de descanso para que você não sobrecarregue o seu cérebro e absorva melhor os conhecimentos adquiridos. Além disso, quando estudamos, tendemos a ficar sentados e a tencionar o pescoço e os ombros, e uma boa dica para evitar esse desconforto é fazer um alongamento para que a energia acumulada em determinadas partes circule livremente.

4. Organize o seu espaço físico

Outra forma de ajudar o processo de memorização é organizar o seu local de estudos. Ele deve ser uma extensão de sua mente — um espaço de calmaria. Por isso, procure ter um lugar reservado especialmente para essa atividade e mantenha-o sempre limpo e iluminado.

Faça um esforço também para se afastar do celular, das redes sociais e de qualquer aplicativo que possa desviar a sua atenção de seu objetivo principal. As notificações de mensagens que recebemos, por exemplo, são suficientes para quebrar o nosso ritmo. Se isso acontecer, você vai se pegar lendo e relendo o mesmo trecho sem conseguir reproduzi-lo pouco tempo depois.

5. Elabore resumos e esquemas

Para realmente aprender algo, é preciso ir além da leitura. Assuma um papel ativo perante o conteúdo: faça resumos, mapas mentais, anotações, chuvas de ideias — o famoso brainstorm — e outros esquemas que o ajudem a sistematizar os principais conceitos expostos e facilitem a revisão das matérias já estudadas.

Outro método bastante eficaz é ensinar para aprender. Reúna as suas anotações e considerações e dê uma aula sobre o assunto, nem que seja para um aluno imaginário. Ao verbalizar o conhecimento adquirido, você também conseguirá fixá-lo melhor em sua mente. Além disso, com o uso dessa tática, ficará mais fácil perceber os pontos em que você ainda tem dúvida e que precisam ser revistos.

6. Associe os novos aprendizados ao que você já conhece

Você já ouviu falar que a única forma de aprender um novo conteúdo na vida adulta é associando-o ao que já sabemos? A lógica por trás dessa afirmação é a seguinte: associar uma ideia nova a algo que já existe em nossa rotina (pode ser um filme, um livro ou uma imagem, por exemplo) é uma forma de inseri-la em nosso domínio cognitivo.

Uma vez que a aprendizagem é um processo contínuo e conectado e, portanto, uma tendência natural, já que essa fixação de conteúdos acontece quase sem que percebamos, devemos utilizar esse recurso a nosso favor e empregá-lo de forma consciente.

Ao aprender um novo idioma, por exemplo, temos uma maior facilidade de memorização quando associamos as palavras estrangeiras àquelas utilizadas em nossa língua materna.

7. Reflita sobre o que você já aprendeu

Essa dica é uma continuação da anterior, afinal, a aprendizagem demanda muita reflexão por parte do estudante e uma série de esforços complementares para que os conteúdos sejam devidamente memorizados. Um equívoco comum, por exemplo, é achar que em apenas uma leitura é possível armazenar todos os conceitos expostos em um texto.

É sempre interessante que você realize mais de uma leitura, em momentos distintos, e reserve um tempo para pensar sobre as informações passadas no texto. Para ajudá-lo a fazer esse exercício, sugerimos algumas questões:

  • Quem escreveu o texto?
  • Em que época ou contexto?
  • A qual público se destina?
  • Qual é o objetivo do conteúdo?

Assim, você conseguirá refletir de forma mais consciente sobre o seu aprendizado e adotar uma postura crítica, evitando a passividade, fixando melhor os assuntos e, consequentemente, aumentando o seu rendimento nos estudos.

8. Exercite os seus conhecimentos

Colocar o que você aprendeu em prática é uma excelente forma de memorizar novos conteúdos. Nesse aspecto, resolver listas de exercícios, responder questões de processos seletivos de anos anteriores e participar de simulados são atitudes que podem ajudá-lo, e muito, a melhorar o seu aprendizado.

Outra boa dica é recorrer a atividades que exercitem a memória e o raciocínio de um jeito mais leve e divertido, como palavras cruzadas, problemas de lógica ou jogos de perguntas e respostas.

9. Faça associações visuais ou engraçadas

Tanto as imagens como o bom humor podem se transformar em excelentes ferramentas para a memorização dos mais diversos tipos de conteúdo. Mas, para obter sucesso com essa técnica, é preciso deixar a vergonha de lado e soltar a criatividade!

Vale relacionar o conteúdo aprendido a situações engraçadas do dia a dia, utilizar jogos de palavras e trocadilhos, associar dados abstratos — como nomes ou fórmulas — a ícones, cenas ou desenhos, entre outras estratégias. Enfim, o importante é deixar a imaginação trabalhar como aliada da memória.

10. Respeite os sinais do seu corpo

Além das pausas entre os períodos de estudo, sobre as quais falamos no tópico anterior, respeitar o momento de descanso e ter uma boa noite de sono também é essencial para a memorização de conteúdos.

Por isso, quando sentir que o seu rendimento já está reduzido, nada de forçar a barra, ok? Lembre-se de que o cansaço em excesso prejudica não só a aprendizagem, mas também a sua saúde.

No entanto, se você trabalha durante o dia e tem apenas o período noturno disponível, encontre maneiras de fazer uma pausa antes de começar a estudar. Ao chegar em casa, tome um banho, descanse, alimente-se bem e faça algum exercício para que seu corpo entenda que chegou ao final de um ciclo e se prepare para outro.

11. Invista em uma boa alimentação

Já que estamos falando sobre saúde, você sabia que manter uma dieta balanceada também pode fazer toda a diferença para manter o seu cérebro saudável? É isso mesmo!

Por isso, fique de olho no cardápio e escolha alimentos ricos em ômega 3 (como peixes e frutas secas), flavonoides (como chás verde e branco), e fisetina (presente no tomate, no morango e também nas uvas vermelhas e roxas), garantindo, assim, melhor concentração e um bom desenvolvimento cognitivo.

12. Identifique as técnicas de memorização que funcionam para você

Além dos métodos que citamos aqui, há formas alternativas de absorver conteúdos, além de outras técnicas de memorização que vale a pena conhecer e aplicar. Pesquise a respeito e procure identificar aquelas que combinam melhor com a sua rotina e com os seus objetivos.

É importante lembrar, ainda, que o processo de aprendizagem é diferente para cada pessoa, mas há uma regra que vale para todos: somente um cérebro saudável e descansado é capaz de memorizar uma informação ou conteúdo. Por isso, siga a sua rotina de estudos com afinco, mas não deixe de lado a sua saúde física e mental, combinado?

Se você gostou deste post e das técnicas de memorização que listamos aqui, aproveite para compartilhar o conteúdo nas redes sociais com os seus amigos e familiares!






Nosso App

Nossas Redes Sociais