7 atitudes necessárias para não perder o emprego em tempos de crise

  • 10/mar/2017

7 atitudes necessárias para não perder o emprego em tempos de crise

Quando a economia não vai bem e acaba por afetar a saúde financeira de uma empresa, é natural que a organização busque meios para diminuir os custos de sua operação, fazendo cortes e diminuindo despesas. Uma das principais estratégias utilizadas pelas companhias é a redução do quadro de funcionários, cenário que exige que os profissionais encontrem formas de assegurar seu emprego em tempos de crise.

Além de contribuir para o aumento do desemprego e o agravamento da crise, a demissão de empregados desestabiliza e compromete a vida dos trabalhadores que são despedidos. Por isso, é fundamental que o trabalhador desenvolva e insira em seu cotidiano profissional condutas que sejam capazes de blindar seu emprego e, consequentemente, manter a sua estabilidade.

É importante lembrar que qualquer empresa possui determinadas expectativas relativas ao profissional contratado. De modo geral, as corporações esperam que os seus funcionários auxiliem no crescimento e alcance dos objetivos da companhia. Quando isso não ocorre, o empregado corre o risco de ser demitido.

Ninguém quer enfrentar este tipo de situação, certo? Por isso, no post de hoje, trazemos 7 sugestões de atitudes para garantir sua segurança profissional. Acompanhe!

1. Esteja sempre atualizado sobre as demandas do mercado

Saber do que o mercado precisa é fundamental para desenvolver um bom trabalho tanto durante uma crise econômica quanto fora dela, uma vez que são as demandas mercadológicas que direcionam a atividade profissional que será exigida. Por causa disso, o funcionário que deseja se manter empregado deve estar atento às necessidades da empresa em que atua, assim como do ramo em que a corporação se insere.

Profissionais que estão sempre atualizados quanto às demandas mercadológicas tendem a ter uma visão estratégica do mercado. Essa característica é muito útil para as empresas, uma vez que os colaboradores dotados desse atributo podem contribuir com a consecução de diferentes objetivos comuns.

2. Qualifique-se

A qualificação é um pré-requisito para se manter vivo no mercado de trabalho. Quem se qualifica constantemente é mais competitivo e tem mais chances de alcançar e continuar nos melhores postos. Isso porque, ao desenvolver habilidades e competências técnicas no profissional, uma formação acadêmica costuma ser o diferencial no currículo do trabalhador, aspecto que geralmente pesa em situações de cortes de funcionários.

Portanto, dependendo do nível de formação do empregado, ter um curso superior ou fazer uma pós-graduação coloca o funcionário em vantagem entre os seus colegas de trabalho. A empresa pode precisar do tipo de formação acadêmica que o empregado possui em determinada área, tornando-o indispensável para a companhia, quando comparado a outros funcionários que não possuem qualificação.

3. Esteja sempre disponível

Ter um funcionário sempre disponível para contribuir com as necessidades do trabalho desenvolvido é o desejo de qualquer empresa. Assim, quem quer driblar a crise e continuar com o seu emprego deve vestir a camisa da companhia em que trabalha e estar constantemente à disposição para prestar os seus serviços em todos os momentos necessários.

Em um período de instabilidade financeira, estar disponível não significa apenas disponibilizar tempo para executar determinada atividade em um certo lugar. O funcionário deve também se colocar à disposição da empresa para ajudá-la em sua empreitada de reduzir custos, elevar os ganhos e, consequentemente, melhorar suas condições financeiras. Vale até colaborar em outras funções e em diferentes setores!

4. Exercite a proatividade

Uma pessoa proativa é aquela que toma a iniciativa, que se antecipa na tomada de atitudes e na realização de atividades, que atua de forma dinâmica e sem depender de ordens para agir. Por ser tão efetiva no cotidiano profissional, a proatividade é uma característica muito procurada e altamente estimada pelas empresas.

Dessa maneira, ser um profissional proativo pode fazer a diferença e garantir o emprego na hora de um corte na companhia. Os gestores certamente vão preferir contar com um colaborador que tem iniciativa e vontade de contribuir, em vez de optar por manter um empregado que somente cumpre ordens ou pouco se envolve em suas atividades profissionais.

5. Tenha responsabilidade

Quando o assunto é diminuir o quadro de pessoal, os gestores estabelecem critérios para efetuar os cortes. Um dos fatores decisivos é a responsabilidade que o profissional tem para com seu trabalho. Por isso, é essencial que a conduta do funcionário na empresa seja marcada pelo compromisso com suas atividades.

Assim, o funcionário que quer fugir do desemprego — e não apenas em tempos de crise — deve manter em dia os seus deveres e obrigações. Isso inclui desempenhar com seriedade suas funções, cumprir os prazos estipulados para o desenvolvimento de uma atividade e ser pontual e assíduo.

6. Seja ético

Muitas vezes, o que leva um profissional a ser demitido de uma empresa é o seu comportamento. Qualquer segmento empresarial zela por um ambiente de trabalho pautado pela ética profissional. Portanto, agir de modo a respeitar as normas da organização, mantendo cautela com que é dito ou feito é o comportamento esperado pelas empresas.

Dessa maneira, manter uma conduta ética inadequada pode fazer com que o funcionário perca o seu emprego. Para não engrossar as fileiras do desemprego por esse motivo, algumas atitudes devem ser evitadas, como falar mal de colegas ou chefes; reclamar do salário; fazer ou participar de grupos de fofoca; abordar, do lado de fora, assuntos confidenciais da empresa; criticar a companhia em público e desrespeitar as regras corporativas.

7. Estabeleça um plano de carreira compatível com a empresa

É fundamental que o empregado planeje sua carreira de acordo com as oportunidades que podem ser oferecidas pela organização em que atua. Se os valores do profissional estiverem além ou aquém das possibilidades da empresa, há grandes chances de ele não se adaptar ao cargo que ocupa, o que será fonte de frustração e pode aumentar suas chances de demissão.

Agora que você já sabe quais atitudes deve tomar para continuar empregado mesmo quando o mercado atravessa turbulências, é hora de colocá-las em prática. Por isso, não perca tempo e mostre ser indispensável no seu ambiente profissional!

O post lhe foi útil? Então não deixe de compartilhá-lo nas suas redes sociais!



Nosso App

Nossas Redes Sociais