Entenda por que o curso de tecnólogo tem tudo a ver com você!

  • 20/dez/2018

Entenda por que o curso de tecnólogo tem tudo a ver com você!

Certamente, você já ouviu falar da importância de dar continuidade aos estudos e investir em uma graduação, não é mesmo? Afinal de contas, com uma formação acadêmica, você se torna apto a desempenhar profissões que exigem nível superior e desenvolve todas as competências necessárias para subir na hierarquia da empresa onde atua — assumindo cargos mais prestigiados e valorizados financeiramente. Não é à toa que cada vez mais pessoas procuram fazer um curso de tecnólogo pelas características e, em especial, as vantagens que ele oferece.

Mas espera, você sabe pouco sobre esse formato e como ele está mudando a educação superior no país? Pois saiba que está no blog certo! Neste post, vamos tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto e, de quebra, ainda reuniremos alguns dos cursos com maior procura e melhores salários para você conhecer. Acompanhe!

O perfil profissional esperado nos dias de hoje

Antes de começarmos a nos aprofundar sobre o que é o curso de tecnólogo, vamos falar sobre o perfil do profissional que é buscado pelas empresas nos dias de hoje?

Isso porque é essencial estar a par de qual é a demanda do mercado para aumentar as suas chances de conseguir um bom emprego, alcançar uma promoção e se manter atualizado sobre as tendências do momento. Entre as principais características do funcionário ideal, podemos listar:

  • proatividade: ser alguém que não se acomoda e só espera ordens, mas sim aquele que toma iniciativa e busca resolver os problemas;

  • maturidade profissional: estar sempre apto a lidar com críticas, a dar e receber feedbacks e a ter uma postura respeitosa com os colegas;

  • senso de liderança: quando preciso, ter a capacidade de tomar a frente de projetos importantes e assumir a gestão de equipes e até mesmo setores;

  • qualificação continuada: interesse contínuo em se aperfeiçoar, desenvolver novas habilidades e aumentar a qualificação que já tem;

  • afinidade com os valores da empresa: não apenas trabalhar para a companhia e ser mais um colaborador, mas sim incorporar os valores dela, defendê-la e representá-la aonde quer que vá como se ela pertencesse a você.

Tecnólogo é curso superior, sim!

Quando alguém pensa em se graduar, normalmente, logo se lembra do bacharelado, que é o formato mais tradicional de formação acadêmica. Porém, engana-se quem acha que ele é a única modalidade possível.

A realidade é que, além dele, existem mais outras duas alternativas no ensino superior: a licenciatura e o tecnológico. “Mas curso técnico e tecnólogo não é tudo igual?”, você deve estar se questionando. Portanto, saiba que, embora algumas pessoas ainda confundam os dois, isso não é verdade.

Enquanto o primeiro não passa de um curso profissionalizante de curta duração, o segundo se trata de uma graduação que concede um diploma e permite a você concorrer, por exemplo, a um concurso público de nível superior. Logo, não há nenhum fundamento para considerá-los similares, ok?

“Certo, eu entendi a diferença. No entanto, como escolher entre bacharelado, tecnológico ou licenciatura?”, você deve estar pensando agora. Por isso, a gente explicará as características de cada formato e mostrará para qual perfil de aluno eles são destinados. Confira atentamente:

Bacharelado

O bacharelado é uma formação que mescla disciplinas teóricas e práticas ao longo dos semestres e proporciona atividades que permitem, simultaneamente, se preparar para o mercado de trabalho e para a carreira acadêmica (seja como docente universitário, seja como pesquisador). Justamente por isso, ele é, muitas vezes, o mais longo — chegando a durar até 6 anos, dependendo do curso escolhido pelo estudante.

Licenciatura

A licenciatura, por sua vez, tem três pilares: conteúdos teóricos sobre a área escolhida, metodologia do aprendizado e práticas pedagógicas. O motivo disso é que quem decide fazê-la busca se capacitar como professor e desenvolver ao máximo o didatismo não só para ministrar aulas, mas para ser transmissor do saber. A duração é de 3 a 4 anos, dependendo da instituição.

Tecnológico

Já o tecnológico tem como foco principal as matérias práticas, pois é voltado para uma preparação mais enxuta, dinâmica e atualizada para o mercado de trabalho — o que explica o fato de ele ser mais curto que os demais, tendo entre 2 e 3 anos. Além disso, no decorrer das aulas, você se aprofunda nas funções que vai desempenhar quando formado e nas perspectivas para o futuro da sua profissão.

Tempo é dinheiro: o diferencial dos cursos tecnológicos

No tópico anterior, falamos sobre as características de cada formato de graduação e o que você pode esperar deles. Porém, você deve estar curioso para saber a respeito dos diferenciais do curso de tecnólogo e como ele pode beneficiá-lo e potencializar a sua trajetória profissional, não é mesmo? Por isso, nós reunimos, abaixo, quais são eles e os destrinchamos. Veja:

Duração reduzida

O primeiro deles é algo que já mencionamos: a redução na duração dos cursos de graduação tecnológica. Isso porque enquanto muitos bacharelados duram em média 4 anos, a graduação tecnológica dura 2. Ou seja, em metade do tempo você já se formou, já conta com seu diploma em mãos e está inserido no mercado de trabalho — e se contarmos o período de estágio, esse ingresso ocorre ainda mais rápido!

E engana-se quem acha que o prazo menor para alcançar uma nova titulação favorece apenas aos jovens que estão saindo colégio e entrando na faculdade. Ao contrário: ele também é vantajoso para quem já trabalha há longos anos em uma empresa, anda insatisfeito com a própria carreira e planeja mudar e explorar outra profissão de maneira mais ágil e, principalmente, segura.

Economia com os custos da faculdade

Um segundo diferencial — e que está intrinsecamente ligado ao primeiro — é a economia com os custos do curso. Afinal, se há menos semestres, há também menos mensalidades a serem pagas. Com isso, o investimento na sua faculdade se torna menor e você minimiza as chances de comprometer a sua renda em longo prazo.

Formação em área específica

Fora o que já foi dito, vale citar que o estudante tem o aprendizado focado em uma área específica da profissão que escolheu. Por exemplo, enquanto determinada pessoa faz um bacharelado em Administração e se debruça sobre os mais diferentes segmentos do ramo de forma generalista, podendo dar ênfase em determinado nicho posteriormente em uma especialização, você adianta esse processo.

Isto é, desde a graduação tecnológica você centra a sua formação no segmento com o qual quer trabalhar, como um curso de Gestão Pública ou Gestão Hospitalar, o que o capacita de forma mais rápida para lidar com as necessidades do mercado e ganhar experiência profissional.

Alta demanda do mercado

Como a graduação tecnológica é voltada para áreas específicas, é comum que sejam lançados anualmente diferentes cursos para atender a demanda do mercado, que cada vez mais necessita de profissionais qualificados e preparados para trabalhar em nichos de atuação.

Isso é ainda mais evidente, por exemplo, quando se trata de profissões que surgiram nos últimos anos e têm um impacto direto na indústria, no comércio e nos programas socioculturais e sustentáveis do Estado. Como resultado, as taxas de empregabilidade são bastante altas para quem tem um diploma de tecnólogo e as oportunidades de emprego e retorno financeiro são igualmente positivas.

Os avanços da graduação tecnológica no Brasil

Agora que você já sabe que um curso de tecnólogo é uma das três alternativas existentes de graduação e conhece quais são as vantagens dele, que tal falarmos sobre os avanços dessa modalidade?

Afinal, com um formato diferenciado que o torna tão vantajoso para quem quer ingressar mais rápido no mercado de trabalho, era de se esperar que ele estivesse mudando o cenário da educação superior no país, não é mesmo?

Por isso, reunimos e comparamos uma série de dados extraídos das edições 2012 e 2016 das Sinopses Estatísticas da Educação Superior, ambas concebidas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), para deixá-lo a par do assunto. Veja:

Número de cursos tecnológicos oferecidos

Em 2017, foram oferecidos 7.005 cursos apenas na modalidade tecnológica. Desse total, a expressiva maioria, cerca de 5.808, está concentrada em instituições particulares de ensino. Ou seja, elas detêm nada mais, nada menos do que 82,91% das alternativas de formação nesse formato.

Para completar, esse número é quase o mesmo das licenciaturas, que tiveram 7.272 alternativas de curso no mesmo ano. Além disso, em 2012 eram disponibilizados apenas 5.969 opções. Logo, é perceptível que houve um aumento de aproximadamente 15% na oferta em cinco anos.

Quantidade de matrículas

Quanto às matrículas em 2017, que reúnem tanto estudantes ingressantes quanto graduandos, houve um total de 999.289 na graduação tecnológica — um crescimento de 9,55% em relação a 2012, quando os registros do Inep apontaram 944.904.

Além disso, mais uma vez, as faculdades privadas saem na frente e demonstram sua relevância para o ensino superior brasileiro ao serem responsáveis pela maioria das matrículas na modalidade, um total de 835.625 (83,62%) — domínio esse que, inclusive, também se repete no bacharelado (78,02%) e na licenciatura (62,13%).

Quantidade de alunos novos

Há pouco, nós falamos da quantidade de matrículas. Porém, agora é o momento de se aprofundar nesse número. Isso porque, desse montante, há 617.317 novos estudantes na educação superior, o que representa 61,77% do total. Com esse dado vemos, mais uma vez, o crescimento do curso de tecnólogo.

O que explica essa constatação é o fato das licenciaturas, que tiveram 1.589.440 matrículas em 2017, apresentarem praticamente a mesma soma de novos alunos: 649.137 (cerca de 40,84% do total). Ou seja, proporcionalmente, o formato tecnológico já tem mais ingressantes na graduação que os cursos que formam licenciados.

Vale mencionar ainda que, em 2012, o total de indivíduos que entraram em um curso de tecnólogo foi de 541.850. Portanto, em cinco anos, houve um aumento de 13,23% de admissão de novos alunos.

Total de concluintes

Para encerrar, o levantamento do Inep também apontou a média de concluintes em 2017: 196.999, dos quais 175.812 (89,24%) se formaram em instituições particulares de ensino. Já em 2012, foram 189.035, dos quais 195.696 (88,18%) obtiveram o diploma tecnólogo em uma faculdade privada.

Ou seja, no intervalo das duas edições do levantamento, o número de concluintes em todo o país cresceu. Um resultado bastante expressivo, não é mesmo?

Como se dar bem na graduação tecnológica

Vai começar um curso de tecnólogo após passar um bom tempo sem estudar e está preocupado quanto à sua adaptação à rotina da faculdade, pois teme que isso interfira no seu desempenho? Se a resposta foi sim, saiba que não há nada a temer.

Como já dissemos, é normal que muitas pessoas façam uma segunda graduação depois de se dedicarem por um longo período a uma carreira e constatarem que não era aquilo que queriam. Além disso, nem todos os jovens iniciam a graduação ao terminarem o ensino médio. Muitos se dedicam a outras atividades antes de iniciar a vida acadêmica.

Portanto, independentemente de qual seja o seu caso, tenha em mente que você pode, sim, se dar bem, se dedicar para valer aos estudos e fazer render o investimento na sua formação. Para tanto, não deixe de seguir as nossas dicas:

  • organize-se: estabeleça horários semanais para rever o conteúdo das aulas e aprofundar a leitura sobre os temas abordados pelos professores;

  • seja disciplinado: nada de deixar a matéria e os exercícios acumularem, principalmente ao fazer uma graduação EAD. Procrastinar não é a solução;

  • evite distrações: elimine todo e qualquer foco de distração do seu ambiente de estudos, como televisão, som, computador e, inclusive, celular;

  • interaja com os seus colegas: fazer contato com os demais estudantes é uma excelente oportunidade para aumentar a imersão no que é aprendido no curso, trocar experiências fazer networking e criar novas amizades;

  • converse com os professores: os docentes não querem apenas dar o conteúdo, mas também promover debates e estimular o raciocínio crítico dos alunos. Por isso, não tenha medo de propor outros pontos de vista, questionar e até discordar quando necessário.

Os cursos tecnológicos mais procurados (e bem remunerados)

Para encerrar nosso post, não podemos deixar de abordar alguns dos cursos tecnológicos mais procurados (e bem remunerados) do país, não é mesmo? Afinal, essa é uma oportunidade de conhecer diferentes profissões e, quem sabe, até se identificar com uma delas — algo que, sem dúvidas, é o grande desejo daqueles que ainda estão indecisos entre duas opções ou mesmo sem ideia de qual área seguir.

Para tanto, levamos em consideração os resultados das Sinopses Estatísticas da Educação Superior, que já mencionamos neste post, e elegemos seis cursos que estão listados, abaixo, conforme o total de matrículas que tiveram em 2017 em todo o território nacional. Confira quais são eles:

Gestão de Recursos Humanos

O primeiro deles é o de Gestão de Recursos Humanos que teve nada mais, nada menos, do que 156.978 matrículas. Com duração de dois anos, ela prepara os alunos para atuar com um dos pilares para o crescimento e o sucesso de qualquer companhia: o capital humano.

É por isso que você se aprofunda não apenas nas melhores práticas de seleção e recrutamento de funcionários, como também no gerenciamento de carreira desses profissionais, na manutenção do clima organizacional e na administração de processos relacionados às causas trabalhistas e/ou sindicais.

Como é a remuneração: conforme os dados do portal Salário, o gerente de Recursos Humanos ganha em torno de R$ 7.119,27 para uma jornada semanal de 43 horas. Essa média salarial é ainda maior nos estados de São Paulo (R$ 9.553,47) e Rio de Janeiro (R$ 7.924,48).

Marketing

O curso de Marketing, por sua vez, alcançou a marca de 138.536 matrículas em 2017. Ao fazê-lo, o estudante aprende sobre a relação entre clientes e marcas e desenvolve as competências necessárias para atuar em diversas frentes de uma companhia gerando valor seja para o consumidor final, seja para os próprios colaboradores e parceiros do negócio.

Não é para menos que, durante os quatro semestres que ele tem, há uma análise contínua de todas as esferas do mercado, como a concepção do produto e a imagem que ele vai carregar, os canais de distribuição, as estratégias de divulgação nos meios online e offline, o investimento em merchandising etc.

Como é a remuneração: de acordo com a sondagem do portal Salário, os vencimentos do gestor de marketing giram em torno de R$ 7.173,51 para uma jornada semanal de 43 horas. Essa média salarial é ainda maior nos estados de São Paulo (R$ 10.148,73) e Rio de Janeiro (R$ 7.826,69).

Logística

Já o de Logística, que teve 79.920 matrículas, é a escolha certa de quem deseja trabalhar com os processos internos de uma empresa.

Afinal, você aperfeiçoa o seu conhecimento técnico acerca de como gerir desde o estoque da organização — com reposição de suprimentos e armazenamento desse material — até os canais de distribuição dela — para filiais, revendedores, serviço de e-commerce e, inclusive, os clientes.

Por essa razão, é comum que os alunos explorem nas aulas os mais diferentes cenários em que problemas logísticos podem afetar tanto a produção quanto a oferta de serviços e quais estratégias adotar para evitar esse quadro.

Como é a remuneração: segundo o levantamento do portal Salário, o gestor de logística ganha tem a faixa de ganho por volta de R$ 3.656,73 para uma jornada semanal de 44 horas. Essa média salarial é ainda maior nos estados de São Paulo (R$ 5.104,79), Rio de Janeiro (R$ 4.997,09), Pernambuco (R$ 4.266,39) e Amazonas (R$ 4.151,92).

Gestão Pública

A quarta graduação da nossa lista é a de Gestão Pública, que em 2017 alcançou 73.498 matrículas. Bastante intrínseca à administração, ela tem como foco a capacitação de profissionais que desejam atuar no setor público. Tanto é que muitas pessoas a realizam já pensando em concorrer a um ou mais concursos na área — visto que eles impõem como requisito que os concorrentes tenham formação superior.

“E o que é ensinado ao longo dela?”, você deve estar pensando. Por isso, saiba que durante os dois anos do curso você aprende sobre o uso dos recursos públicos em órgãos, autarquias e demais entidades do Estado e o principal: como gerir essa verba e empregá-la corretamente nos devidos fins.

Como é a remuneração: consoante com o relatório do portal Salário, o gestor público tem um retorno financeiro de R$ 4.377,21 para uma jornada semanal de 42 horas. Essa média salarial é ainda maior no Distrito Federal (R$ 5.469,71) e nos estados de São Paulo (R$ 4.983,89), Rio de Janeiro (R$ 4.709,27) e Amapá (R$ 4.418,94).

Gestão Ambiental

O curso de Gestão Ambiental obteve 34.494 matrículas em 2017 e promete crescer ainda mais nos próximos anos. Isso porque quem decide fazer os quatro semestres dele busca adquirir o conhecimento necessário sobre recursos naturais, legislação ambiental e melhores práticas de sustentabilidade.

Assim, ao se formar, serão capazes de atuar ativamente nos setores público e privado planejando e aplicando medidas que promovem a redução de impactos ambientais — especialmente em locais de preservação —, e a recuperação de locais onde a natureza foi parcial ou totalmente destruída pela ação do homem.

Como é a remuneração: conforme os dados do portal Salário, aqueles que se formam em Gestão Ambiental têm rendimentos mensais de R$ 3.202,35 para uma jornada semanal de 43 horas. Essa média salarial é ainda maior nos estados do Rio de Janeiro (R$ 4.874,84), Amazonas (R$ 4.506,13) e São Paulo (R$ 4.048,73).

Gestão Hospitalar

Por fim, há o de Gestão Hospitalar que, segundo o Inep, teve 13.387 matrículas no país. O curso, que conta com dois anos e meio de duração, tem o foco voltado para a boa estruturação interna do ambiente hospitalar para atender os pacientes, oferecer o material e equipamentos necessários para a equipe médica e gerar lucratividade para os acionistas da instituição.

Ou seja, é um curso que o prepara para assumir a responsabilidade de lidar com regulamentos internos, integrar os serviços prestados pelas alas ambulatoriais, clínicas e de exame, administrar a cadeia de insumos e suprimentos, realizar auditorias e ainda traçar tetos de gastos com as metas e os objetivos da diretoria do centro hospitalar.

Como é a remuneração: de acordo com a sondagem do portal Salário, aqueles que têm diploma de tecnólogo em Gestão Hospitalar recebem R$ 3.937,37 para uma jornada semanal de 42 horas. Essa média salarial é ainda maior nos estados do Paraná (R$ 7.803,25), Goiás (R$ 5.321,00) e Rio de Janeiro (R$ 5.183,93).

Como você viu, fazer um curso de tecnólogo é uma ótima opção para ganhar conhecimento prático no ramo em que você deseja trabalhar e ingressar mais rapidamente no mercado. Mas não só isso, já que os profissionais que optaram por esse formato de graduação têm alcançado cargos cada vez mais relevantes dentro das companhias, obtendo um retorno financeiro elevado. Portanto, nada de protelar a sua entrada no ensino superior, pois ela será decisiva para o sucesso da sua carreira!

Aproveite e baixe o nosso e-book sobre o Perfil Profissional Mais Procurado pelas Empresas. Assim, você se capacita conforme o que o mercado mais necessita!

 

Precisa de mais informações?

Preencha seus dados que um consultor irá entrar em contato com você



Nosso App

Nossas Redes Sociais