Connect with us

Guia de Carreiras

Como elaborar um bom currículo? 7 pontos a serem priorizados

bom currículo

Quando participamos de um processo seletivo, seja para um emprego ou seja para um estágio, a primeira impressão que vamos causar nos recrutadores é muito importante para deixá-los com muita confiança em nosso trabalho ou, pelo contrário, uma certa dúvida sobre nossas habilidades. Nesse aspecto, um bom currículo é a nossa primeira forma de apresentação, por isso, precisamos cuidar de como a nossa imagem profissional chegará até a empresa.

Foi pensando nisso que trouxemos esse conteúdo! Aqui você verá os motivos pelos quais é importante montar um bom currículo e como elaborá-lo da melhor forma possível!

Por que elaborar um bom currículo?

Como muitas vezes não temos retorno sobre o nosso currículo, talvez nem imaginemos quais foram ou não descartados e, quem sabe, nem sequer foram lidos, devido a uma grande quantidade de informação sem relevância e por um excesso de formatação que deixa o seu texto poluído visualmente. Por isso, ter experiência no mercado de trabalho e ter investido em uma graduação ou pós-graduação é muito importante, mas precisamos também saber como apresentar essas informações.

Em primeiro lugar, lembre-se que o recrutador terá muitos currículos e muitos tipos de currículos em mãos, por isso, pergunte-se “como fazer para me destacar em meio a tantas apresentações?”. Para isso, é importante selecionar muito bem as informações que você colocará, enfatizando aquilo que será fundamental para a sua contratação. Depois, o segundo passo será estruturar o seu conteúdo e organizá-lo de forma que atraia o olhar do seu futuro empregador.

Para a estrutura, existem algumas regras e dicas que podem ajudar! Veja abaixo!

1. Dados pessoais

Muitas pessoas colocam muitos dados pessoais, no entanto, precisamos pensar que alguns deles para a contratação são dispensáveis, como número de RG, CPF, nome de pai e mãe, entre outras informações pessoais. Então, seja objetivo e coloque: 

  • nome completo;
  • e-mail;
  • telefone para contato;
  • endereço do seu perfil no LinkedIn ou Lattes;
  • cidade onde mora;
  • data de nascimento ou idade — não obrigatório.

Com essas informações, o recrutador saberá as primeiras informações importantes sobre o seu perfil e, caso pretenda entrar em contato, não terá dificuldade em encontrar seu e-mail ou telefone. Porém, é significativo ter atenção a um aspecto: cuidado com os nomes que você coloca em seu e-mail ou em suas redes sociais — sabe aquele e-mail de adolescência? É melhor não usá-lo. Crie um com um nome mais profissional.

2. Área de atuação

Nesse tópico o que importa é a clareza, ou seja, é interessante apresentar sua área de atuação de forma bem definida, demonstrando com o que você trabalha ou em qual área você já é especialista. Por exemplo: 

  • professor de matemática; 
  • recursos humanos e gestão de pessoas;
  • supervisão e orientação escolar;
  • enfermagem e acompanhamento de saúde;
  • administração de finanças. 

3. Objetivos

Para apresentar o seu objetivo profissional, seja o mais claro possível e adicione a sua pretensão na empresa, demonstrando que já fez uma pesquisa no site ou no histórico da organização. Por exemplo, “fazer parte do corpo de professores de Língua Portuguesa da Instituição (nome).” Assim, você demonstrará que tem um propósito e já compreende parte das obrigações do cargo pretendido.

4. Formação acadêmica

Ao descrever a sua formação, faça-o de forma sucinta, selecionando as partes mais importantes do curso para serem ditas, como nome do curso, modalidade — por exemplo, licenciatura ou bacharelado —, instituição, local, período — se você já concluiu ou ainda está cursando. Caso tenha uma pós-graduação, você deve colocá-la e descrever se é lato sensu — especialização — ou stricto sensu — mestrado ou doutorado.

5. Qualificações

Ao longo de nossa jornada acadêmica, costumamos participar de minicursos ou cursos os quais aprendemos muito e são importantes para o nosso crescimento profissional. Sendo assim, se eles forem interessantes para o cargo que você pretende, não deixe de descrevê-los em pequenos tópicos em seu currículo. 

4. Experiência profissional

Para a sua experiência profissional, selecione aquilo que é relevante para o cargo que você almeja. Por exemplo, se você pretende concorrer a um cargo de finanças e no passado trabalhou como cuidador de crianças, não é preciso colocar essa profissão no currículo, pois em nada acrescentará e demonstrará que você quer preencher o papel com informações, prezando pela quantidade e não pela qualidade.

Por outro lado, se você já tem uma certa experiência profissional ou fez estágio em um local interessante, apresente as informações da seguinte maneira: 

  • nome da empresa onde trabalhou;
  • período em que trabalhou — se foi por menos de seis meses, talvez, seja melhor não colocar essa experiência;
  • breve descrição do cargo ocupado ou da função realizada;
  • breve descrição das atividades realizadas.

5. Idiomas

Para apresentar os idiomas é muito importante ser sincero e realmente selecionar aquilo que você sabe com o nível adequado para a sua fala, escuta e leitura, podendo variar entre quatro opções: básico, intermediário, avançado e fluente. Sendo assim, você pode organizar os tópicos da seguinte maneira: 

  • italiano fluente: curso X (formado em julho de 2020);
  • inglês intermediário: curso Y (formado em dezembro de 2022);
  • espanhol básico: curso Z (formado em dezembro de 2022).

Se a sua empresa tem preferência por algum dos idiomas, você pode dar um destaque maior para ele adicionando informações mais detalhadas, por exemplo, com uma experiência internacional.

7. Informações adicionais

Esse último tópico é para descrever informações as quais você acha que são relevantes para o seu futuro na empresa, mas que os outros tópicos não deram abertura para serem ditas. Procure ser objetivo e apresentar algo apenas se for significativo para a vaga.

Quais cuidados ter?

Com todos os tópicos apresentados, podemos perceber que a simplicidade e a objetividade é que manda. No entanto, além de todos esses cuidados, é preciso ter muita atenção à formatação do texto, afinal, quando um currículo fica visualmente ruim, as chances dele ser lido são pequenas. Por isso: 

  • margens: de acordo com a ABNT, as margens devem ter 3 cm no lado superior e esquerdo e 2 cm no lado inferior e direito;
  • alinhamento: visualmente o texto fica melhor quando “justificado”;
  • fontes: as melhores fontes são: tamanho 12, arial ou times new roman, espaçamento 1,5;
  • títulos das seções: você pode colocá-los em negrito em caixa alta;
  • subtítulos das seções: você pode colocar em negrito;
  • no corpo do texto: separe as diferentes informações em tópicos;
  • cor: preta, podem ser adicionadas cores sutis, muito próximas ao preto para darem destaque a alguma informação, porém é importante não sair dessa tonalidade;
  • cuide da ortografia e gramática: faça revisões no texto e evite vícios de linguagem.

Notou como um bom currículo pode ser fundamental para deixarmos uma primeira impressão positiva? Se você tem alguma dúvida ou experiência sobre o assunto, deixe nos comentários e compartilhe com os demais leitores a sua opinião!

Avalie post
Comentários

QUER SABER SOBRE OS MAIS DE 1.800 CURSOS A DISTÂNCIA?

Saiba mais sobre os cursos de Pós-Graduação EAD

Saiba mais sobre os cursos de Graduação EAD


Copyright Unyleya ©. Todos os direitos reservados.