O que são as políticas educacionais?

  • 25/jun/2018

O que são as políticas educacionais?

O que são políticas educacionais e como elas influenciam na capacidade de aprendizado dos alunos? Elas são resultado de uma relação entre poder, Estado e sociedade e visam definir as características necessárias para o desenvolvimento do ser humano.

Uma política educacional eficiente garante uma educação de qualidade para crianças, jovens e adultos e o desenvolvimento do cidadão. É o que você vai entender a seguir. Confira!

Conceito e importância das políticas educacionais

A sociedade é dinâmica e, diante isso, a compreensão da função do Estado e da necessidade educacional também muda com o passar dos anos. A política educacional pode ser associada aos momentos históricos de um país e do mundo e à interpretação de poder de cada época.

No Brasil, ela é estabelecida pela definição de um processo pedagógico nacional e a criação de leis para apoiá-la. As políticas educacionais exigem um processo participativo da sociedade como um todo — educadores, alunos, pais e governo. A discussão sobre as temáticas necessárias para a construção do indivíduo é fundamental para assegurar uma educação de qualidade.

A política educacional, portanto, trata de um processo de construção de valores, conhecimento e relação entre a sociedade e o Estado. Ela possibilita o desenvolvimento do ser humano capaz de se comunicar, compreender o mundo ao seu redor e defender suas ideias.

Ela é de extrema importância para o país, uma vez que são os modelos educacionais estabelecidos pelos cidadãos e pelo governo que permitem a criação de uma sociedade com capacidade de trabalhar, questionar e contribuir com o crescimento de uma nação.

Características que as políticas educacionais precisam considerar

As políticas educacionais no país devem atender a aspectos que estão interligados com a Constituição Federal e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. A principal característica que elas estabelecem é o direito de acesso à educação a qualquer brasileiro.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação, por exemplo, atesta em seu artigo 3º que o ensino deverá considerar os princípios de “igualdade de condições para acesso e permanência na escola; liberdade de aprender (…), pluralismo de ideias (…) e respeito à liberdade (…)”. Conheça as principais características que devem ser respeitadas pelas políticas educacionais:

Ensino para todos

As políticas de ensino devem promover o engajamento escolar. Todo cidadão brasileiro tem direito ao acesso à educação em seu estado e município. Nesse sentido, os governos precisam criar e manter espaços adequados e suficientes para assegurar vagas para todas as crianças, jovens e adultos que buscam a alfabetização.

Por isso, foram criadas iniciativas como o “Programa Caminhos da Escola”, do Governo Federal, e projetos estaduais e municipais para auxiliar os estudantes que residem longe dos ambientes educacionais. Por isso, em muitos casos os jovens recebem transporte escolar gratuito a fim de garantir o acesso à educação.

Outra maneira de garantir a continuidade do estudo é a criação de políticas de Educação a Distância (EAD). Essa modalidade facilita o acesso à educação de jovens e profissionais que precisam conciliar o trabalho com a vida pessoal.

As políticas educacionais, portanto, devem garantir o acesso ao ensino com salas de aula estruturadas e espaços próprios para o aprendizado. Elas também estabelecem a participação dos governos para permitir o acesso às escolas e demais Instituições de Ensino, bem como o atendimento aos alunos com necessidades especiais.

Educação de qualidade

Não basta apenas oferecer espaços para crianças, jovens e adultos aprenderem. É necessário que a educação seja de qualidade. Isso envolve a estruturação de uma boa grade curricular, disponibilização de livros, carteiras, lousa, computadores e acesso à internet.

Também faz parte dessa construção da qualidade no ensino a contratação de professores especializados e a oferta de cursos de atualização profissional. Logo, as Instituições de Ensino devem aperfeiçoar os serviços oferecidos, criar estratégias diferenciadas para atrair a atenção de alunos e estimular a participação em sala de aula.

Além do mais, é válido promover a integração entre a sociedade e a escola, com o desenvolvimento de projetos educacionais, feiras e eventos culturais. Os alunos precisam compreender a importância da educação para o desenvolvimento cultural e social e a força do conhecimento para o crescimento pessoal.

Combate à evasão escolar

Muitas crianças e jovens não têm vontade de ir à escola. Isso acontece porque eles não compreendem a importância da educação para o futuro. Cabe, então, aos pais e aos educadores orientar os estudantes sobre a necessidade de eles investirem no aprendizado.

Os pais, por exemplo, precisam incentivar os filhos a irem para a escola, mostrando como o ensino poderá ampliar as oportunidades deles no futuro. Eles também devem criar um ambiente familiar propício para o aprendizado, ao manter os estudantes bem alimentados e com espaços para que possam desenvolver as atividades educacionais em casa.

As escolas, por sua vez, têm a obrigação de acompanhar o desenvolvimento dos alunos. Os educadores devem prestar atenção à evolução do conhecimento dos estudantes, ao número de faltas praticadas por eles e às condições que eles chegam à Instituição.

Os professores podem atuar como orientadores das crianças e jovens e observar se eles precisam trabalhar para auxiliar a família. Em muitos casos, a escola pode oferecer aulas em horários diferenciados para que o aluno possa conciliar o aprendizado à vida profissional.

Em casos extremos, os educadores devem agir e solicitar o acompanhamento do Conselho Tutelar para defender o acesso à educação.

Ambiente acolhedor e convidativo para os alunos

Uma maneira eficaz de combater a evasão escolar é a promoção de um ambiente acolhedor e interessante para os alunos. Muitas vezes, a falta de motivação dos estudantes se dá pelas atividades monótonas ou pela dificuldade de acompanhar as aulas.

Nesse sentido, os educadores podem promover um ambiente participativo, realizar aulas de reforço e criar atividades que motivem crianças, jovens e adultos. Por exemplo, uma aula de Ciências pode valorizar a construção de projetos que unem teoria, criatividade e tecnologia.

Outras disciplinas podem promover atividades como gincanas, debates, palestras e programações culturais. O importante é incentivar que o aluno seja um protagonista no seu processo de aprendizado.

Como você viu no artigo, as políticas educacionais fazem parte do desenvolvimento e crescimento de um país. A sociedade deve participar ativamente para buscar a qualidade do ensino e a criação de estratégias adequadas para o momento atual.

Gostou deste post? Deixe o seu comentário e compartilhe iniciativas diferenciadas que acontecem em sua cidade!



Nosso App

Nossas Redes Sociais